• Tel.: (11) 3889-9909
Página inicial News BRASPEN Atualização em TN Calorias livres e paciente crítico: o que é isso?
calorias-livres

Para os pacientes críticos com terapia nutricional, tanto o déficit calórico proteico quanto a hiperalimentação podem contribuir para o aumento de complicações, mortalidade e custos. A oferta de fluídos intravenosos, drogas, antibióticos fazem parte da conduta diária. Nesse contexto, os pacientes recebem além da carga hídrica via venosa, uma quantidade de glicose e lipídios o que é denominado de calorias livres. Avaliar essa quantidade de calorias administradas para os pacientes críticos, deve fazer parte da rotina da equipe multidisciplinar. O objetivo é determinar qual a real quantidade de calorias prescritas para adequar esse valor obtido com as necessidades nutricionais do paciente.

A literatura alerta para os prejuízos da hiper e da hipoalimentação, e nessa linha de conduta, segue a importância de quantificar também a quantidade de calorias livres ofertadas via venosa. A terapia nutricional enteral é a via mais prescrita para os pacientes que encontram-se parcialmente ou totalmente incapacitados de alimentar pela via oral. Contudo, vários estudos mostraram que o volume administrado do prescrito é geralmente menor, variando entre 50 a 87%. Por outro lado, nenhum estudo determinou o total de calorias, denominadas livres, ou seja as calorias administradas via soro glicosado e drogas com desfechos clínicos.

Nosso grupo, realizou estudo com 90 pacientes críticos adultos, com terapia enteral exclusiva em hospital em Cuiabá-MT. O objetivo, foi determinar o total de calorias livres administradas via intravenosa e infundida via enteral sobre os desfechos. Foi prescrito/dia 1014ml de enteral sendo 775ml infundidos, 78,8 (44-100) %. O total de calorias livres administradas/dia foi 233 (6,8-

1241) kcal. O total de calorias administradas/7 dias (via enteral e livres) foi menor para os pacientes que foram a óbito (5701±651 vs 8344±831; p=0,02). Concluiu que os pacientes críticos que foram a óbitos receberam menos calorias.

 

Por: Diana Dock-Nascimento, Priscilla Aparecida Alves da Silva, Ramzia Mahmoud Ali

 

Fonte:

  • Villet S, et al. Clin Nutr. 2005;24(4):502-9.
  • Flordelís Lasierra JL, Pérez-Vela JL, Umezawa Makikado LD, et al. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2015 Feb;39(2):154-62.
  • Rewa O, et al. Crit Care Clin. 2015 Oct;31(4):785-801.
  • Shaw AD, et al. Crit Care. 2015 Sep 12;19:334.
  • Chatrath V, et al. J Anaesthesiol Clin Pharmacol. 2015Jul-Sep;31(3):308-16.
  • Weijs PJ, et al. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2012 Jan;36(1):60-8.
  • Weijs PJ, et al. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2013 Mar;16(2):194-201.
  • Declercq B, et al. Anaesth Intensive Care. 2016 Jan;44(1):93-8.
  • McClave SA, et al. Crit Care Med. 2014 Dec;42(12):2600-10.
  • Petros S, et al. Clin Nutr. 2006;25(1):51-9